Architecture for Voice, Video and Integrated Data

Cisco Unified Communications

CUCM Versões Restricted e Unrestricted

Posted by loliveira em 25/02/2013


Bom dia Galera encontrei um excelente post no http://networkingnerd.net explicando uma das dúvidas mais comuns de quem lida com suporte e instalação de CUCM´s. Traduzi para o PT-BR para ajudar.

Caso você teve que efetuar o download do software do CUCM de alguns anos para cá, provavelmente você ficou confuso sobre as 2 opções de download disponíveis – Restricted e Unrestricted. A principio, sem qualquer pesquisa, você pode ter optado pela versão Unrestricted (Inclusive eu já cometi este erro!). Apesar de tudo, sem restrições é uma coisa boa, certo? Mas neste caso, isto não é o que você quer. Em fato, isto pode causar mais problemas do que resolver.

Anterior à versão 7.1(5), o CUCM era um produto de exportação restrito. Mas por que o governo se preocuparia em exportar um sistema de telefonia? A resposta se resume no uso da criptografia da sinalização e da mídia (RTP) que o CUCM oferece através do secure RTP (sRTP). A criptografia sempre foi algo rigidamente controlado. Inicialmente desenvolvido fortemente na Segunda Guerra Mundial, o governo precisava se certificar de regulamentar o uso da criptografia. Normalmente, exportar tecnologia é algo controlado pelo Departamento do Comércio dos E.U.A. No entanto, uma vez que quase todos os pedidos de criptografia eram de natureza militar, também eram classificados como uma munição pelos militares e, portanto, sujeitas a regulamentação por meio do Departamento de Estado. E regulamentar é o que eles faziam. Eles decretaram que nenhum software de criptografia forte estaria disponível para ser exportado para fora do país sem uma auditoria e investigação.

O resultado disso foi que as empresas passaram a criar “versões internacionais” que continham a chave de criptografia com um valor máximo de 40 bits que poderia ser exportado sem audiência. Isto afetou diversos programas nos primórdios da internet, como o Internet Explorer, Netscape e inclusive o Windows.

Em 1996, o então presidente Bill Clinton assinou uma ordem permitindo que as regras de exportação de softwares com criptografia fossem transferidas para o Departamento do Comercio. Em fato, a ordem dizia que o software não deveria ser mais tratado como “tecnologia” como propostos de determinar restrições para exportação.  No ano 2000, o Departamento do Comercio decidiu criar novas regras para exportar criptografia forte. Essas restrições foram mais tolerantes e permitiram tecnologia de criptografia florescer em todo o mundo. Há ainda alguns países na lista de restrição à exportação, tais como aqueles que são classificados como estados terroristas ou estados desonestos classificados pelo governo dos E.U.A. Estes países são proibidos de utilizar-se de software de criptografia forte. Além disso, mesmo os países que podem receber esse software estão sujeitos à inspeção a qualquer momento do Departamento de Comércio dos E.U.A para garantir que o software está sendo usado de acordo com o propósito originalmente licenciado.

Quando você pensa em quantas empresas hoje têm uma presença multi-nacional, este pode ser um pesadelo para o cumprimento regulamentar.

A Cisco decidiu a partir do CUCM 7.1(5) criar uma versão do software que elimina a criptografia da media e da sinalização para tráfego de voz com o objetivo de evitar a necessidade de policiar a exportação para certos destinos assim como auditorias de Software. As versões Unrestricted são desenvolvidas em paralelo com outras versões do CUCM para que os usuários tenham as mesmas funcionalidades não importando sua localização.

A versão Unrestricted tem um preço quando você a instala: Uma vez atualizado para a versão Unrestricted do CUCM, você nunca mais poderá voltar para a versão Restricted (com Criptografia). Você não poderá migrar ou inserir qualquer servidor Restricted no Cluster. O único jeito é instalar tudo novamente “do zero”. Aí está à razão pela qual você tem que ter muito cuidado antes de instalar este software.

Se você estiver rodando um CUCM anterior a versão 7.1(5), você esta utilizando uma versão Restricted. A menos que você tenha em um cenário onde você precisa instalar o CUCM em um país que possui restrições de exportação diante do Departamento do Comércio ou tem algum tipo de restrição à importação de software (Rússia está especificamente indicado nas notas de lançamento da Cisco) não há nenhum motivo para você mudar. O custo é o mesmo. O modelo de licenciamento é o mesmo. As únicas coisas que você perde são a criptografia de mídia/sinalização e a capacidade de sempre atualizar para a versão restrita.

Anúncios

4 Respostas to “CUCM Versões Restricted e Unrestricted”

  1. Stefan Letzow said

    Otimo post. A nomenclatura da Cisco não foi muito clara neste caso. Creio que a maioria das pessoas oa se deparar com as 2 opcoes irá pensar que se trata em relacão as funcionalidades, enquanto que o nome é referente a politica de exportação. Passei por esta dúvida recentemente e se não tivesse lido com calma os .PDF da Cisco poderia ter optado incorretamente pela versão Unrestricted, o que poderia causar muitos problemas e trabalho extra no futuro.

    • loliveira said

      Realmente Stefan, para mim a documentação do fabricante referente a este assunto é bem complexa e confusa e tem que ler com muito cuidado, para quem é marinheiro de primeira viagem pode se dar mal ao optar pela Unrestricted. Valeu pelo comentário.

      Att.

  2. Ligia Vidal Peixoto Villarinho said

    Leo,
    Sabe se é possivel verificar se foi instalado uma versão Restricted ou Unrestricted?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: